Campanha 2019

  • 0 comentários

Em nossa escola, iniciamos um processo de compreender o que a Base Nacional Curricular traz para as crianças, trabalhando os direitos de aprendizagem. Entendemos que as crianças já são portadoras de direitos e participam do processo de ensino-aprendizagem. São elas que estão no centro e têm direito à escolha e participação. Trabalharemos o Conviver, Participar, Brincar, Conhecer-se, Expressar e Explorar.

Esses são os 6 direitos essenciais ao começo da vida. #escolafeitaparacriancas ❤ #PropostaPedagógica #Campanha2019

São esses 6 direitos de aprendizagem que fazem parte da nossa campanha 2019:

Conviver

Conviver é um direito de aprendizagem para as crianças na Educação Infantil. O aprender a conviver com o outro em diferentes situações, favorece a compreensão do respeito. Todas as crianças, para além dos conteúdos programáticos, precisam de socialização e integração. É convivendo que se pode garantir essas vivências.

Brincar

A brincadeira é inerente e ao mesmo necessária, as crianças. Brincar é algo vital aos pequeninos e pequeninas. Nossa escola, considera o brincar como algo essencial nas vivências pedagógicas no espaço da escola infantil. Tanto as brincadeiras livres quanto as dirigidas, fazem parte das nossas rotinas. Através do brincar, as crianças reafirmam as suas infâncias e a suas múltiplas identidades. Assim como nos propõe a Base Nacional Curricular Comum, buscamos continuamente favorecer o brincar em diferentes espaços, contextos e grupos. É nossa intenção estimular o desenvolvimento das culturas infantis, a criatividade, o imaginário, as experiências emocionais, as relações corporais e sensoriais, a construção de diferentes aprendizagens nas diversas áreas dos saberes, através das brincadeiras.

Participar

Entendemos as crianças como pessoas, portadoras de direitos. Para a nossa escola, a criança tem voz e por isso, estimulamos uma ampla participação nas programações pedagógicas. Acreditamos que favorecer a participação do planejamento diário, estimula o desenvolvimento da autonomia e do uso das diferentes linguagens. A criança compreende o espaço para se posicionar e decidir sobre as propostas pensadas para ela. Aos professores, cabe abrir sempre o espaço para ouvir as crianças e incluí-las o máximo possível no cotidiano escolar infantil.

Explorar

O corpo é a base dos processos de aprendizagem na Educação Infantil. As crianças precisam tocar, sentir, experimentar e explorar o conhecimento. Através da relação com gestos, sons, formas, texturas, palavras, emoções, objetos, elementos da natureza, as crianças se apropriam e ampliam os diferentes saberes que estão ao seu redor. Conhecer todo esse novo mundo em que circulam nos primeiros anos de vida, é algo que merece de fato um espaço relevante para as atividades exploratórias. Explorar é aprender, é dar sentido ao que se vive.

Expressar

Consideramos as crianças como sujeitos dialógicos, criativos e sensíveis. Através das diferentes linguagens, elas se expressam utilizando as suas emoções, sentimentos, descobertas, dúvidas… Estimulamos a expressão das opiniões e dos questionamentos em nosso espaço escolar. Nem sempre a expressão é externada na linguagem falada, pois também se fala com o corpo utilizando diferentes recursos e estamos enquanto escola, aprendendo a perceber a pluralidade das linguagens infantis. A criança que se expressa, é a criança que constrói a sua própria autonomia e nesta linha de pensamento, seguimos favorecendo este espaço de escuta para as diferentes expressões das nossas crianças.

Conhecer-se

A construção da identidade pessoal, se dá na relação com o outro. Somos individuais e coletivos ao mesmo tempo. Um dos primeiros espaços de convivência com o outro para as crianças, é a escola infantil. É neste espaço que as interações com os pares são formadas, em especial através das brincadeiras. A criança compreende o seu espaço e o espaço do outro, conhecendo os seus limites e possibilidades nas relações. Nossa escola, valoriza e estimula a socialização como um aspecto essencial para o conhecer-se. A participação no coletivo é base no conhecimento das identidades infantis.

Share Social

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *